quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

RP 2.0 Web versão 2009.1

Já é bem sabido por todos nós que o profissional de RP possui vasta qualificação e inúmeras técnicas que podem ser empregadas com a finalidade de reestruturar a comunicação da instituição com os seus públicos de interesse. Entre elas, podemos citar a Comunicação Dirigida, que constitui importante artifício na construção de mecanismos que viabilizam o desenvolvimento da comunicação voltada para os públicos, previamente estudados e segmentados. Esta técnica de Relações Públicas oferece ao profissional a margem necessária para a identificação das necessidades e obtenção de resultados ambicionados pela instituição, caso a caso.

Saber dirigir a comunicação a cada público específico, através de meios adequados, se faz de extrema importância para este profissional, pois possibilita maior eficiência e eficácia no alcance dos resultados almejados, fazendo também com que os relacionamentos entre a instituição e os seus públicos sejam cada vez mais estreitados.

Assim como os tradicionais instrumentos de Comunicação Dirigida são empregados no trato com públicos segmentados, ferramentas de comunicação na Internet possibilitam a segmentação também no campo virtual. Num contexto sócio-cultural globalizado, aonde desenfreadas inovações tecnológicas se alastram e impõem significativas mudanças na forma como as instituições comunicam-se através da Internet, é preciso adequar-se de maneira a não se eximir da responsabilidade organizacional de acompanhar as novas tendências e formas de interatividade propostas pelas chamadas “redes sociais virtuais”.

Atentos a essas transformações estão os profissionais de relações públicas que, utilizando-se das peculiaridades do mundo virtual, introduzem novos caminhos para interatividade entre organização e seus públicos. As RP 2.0, como vêem sendo chamadas as Relações Públicas praticadas no mundo virtual, trabalham as faces positiva e negativa próprias desse espaço, promovendo não só a divulgação imagética da instituição como, também, desenvolvendo as modernas formas de comunicação entre ambas as partes.

Novos canais de comunicação são aproveitados por estes profissionais no intento de inovar, dinamizar e estreitar relações. Atenciosos com as novas tecnologias, os profissionais de relações públicas entrevêem aspectos relevantes, tais como: retroalimentações em tempo real, dinâmica nos contatos, quebra das barreiras geográficas, espaço para livre argumentação, diversidade de canais de comunicação, novas formas de utilização das tradicionais ferramentas de comunicação, tendência a melhor controle sobre informações, compartilhamento de idéias, divulgação instantânea, dentre muitas outras que podemos considerar indispensáveis ao profissional no exercício das suas atividades junto às organizações.

Nesse ínterim, as novas tecnologias impulsionam a configuração moderna de interação entre as áreas que constituem a chamada Comunicação Integrada: jornalismo, publicidade & propaganda e marketing. Estas áreas, também absorvidas pela tendência global de Comunicação 2.0, passam a adaptar suas ferramentas específicas a este novo conceito de comunicação.
Na construção de uma nova realidade que abrange muito mais do que exigia a antiga conexão entre essas áreas, os esforços são aplicados os conhecimentos reciclados, as novas linguagens de comunicação, sistematização das informações.

A Comunicação Integrada passa a exigir dos profissionais de relações públicas, publicidade & propaganda, jornalismo e markenting, um perfil generalista e multidisciplinar. Esses profissionais, compelidos pelas revoluções tecnológicas, possuem considerável importância por promoverem sinergia capaz de operar grandes feitos comunicacionais. Nesse contexto integrado, as Relações Públicas possuem o prestígio de atuarem como articuladores incontestáveis das relações e práticas comunicativas de fortalecimento da identidade e imagem organizacional.

por Wanessa Araújo

Nenhum comentário:

Postar um comentário